O Bê-a-bá do Sertão - Paraíba - Santa Cruz quer àgua do Paraíso
00.00.0000 - Santa Cruz(PB)

Santa Cruz quer àgua do Paraíso

     
Compartilhe

Santa Cruz quer àgua do ParaísoPopulação sofre com o problema da falta de água

Da redação do Bê-a-bá do Sertão
 
Santa Cruz(PB) – A população do município de Santa Cruz(PB), voltou a se mobilizar e protestar na manhã desta terça-feira(07Jun2005), reivindicando pela solução definitiva para a falta de água para consumo humano na cidade, a qual, segundo os manifestantes, encontra-se com o sistema de abastecimento dágua domiciliar deficitário, pelo fato do Açude do Caldeirão que atualmente abastece a população, não conter a vazão necessária para o abastecimento.
 
A manifestação liderada pelo Padre Djacy Brasileiro, vigário da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, foi transformada numa passeata que saiu defronte da Igreja de do Sagrado Coração de Jesus em direção ao prédio da Câmara Municipal de Santa Cruz, quando centenas de populares da zona urbana e rural, batendo em latas dágua, gritavam palavras de ordem, exigindo providências das autoridades constituídas para o problema que está atingindo a população, principalmente aos residentes na sede do município, que pelos cálculos realizados no açude que abastece a cidade, só terá água encanada até meados do mês de agosto do corrente ano.
 
 
O protesto da sexta-feira(07), foi mais um capítulo das várias manifestações que já foram feitas na cidade, liderada pelo vigário da cidade, o Padre Djaci Brasileiro, que desde o dia 04 de novembro de 2003 idealizou os protestos que tem por finalidade chamar a atenção das autoridades estaduais e federais, para acabar de vez com o problema da falta de água para consumo humano no município.
 
 
QUEREMOS ÁGUA
 
Demonstrando forte determinação, cerca de 1200 manifestantes mantiveram-se concentrados e participando do protesto, realizado em frente ao átrio da Igreja Matriz do Sagrada Coração de Jesus, no centro da cidade, de onde saíram em passeata de protesto, conduzindo latas e reservatórios dágua, gritando palavras de ordem até o prédio da câmara, local onde já estava previamente agendada uma audiência pública, na Casa Legislativa de “André Gomes de Matos”, quando no plenário “Luiz Gonzaga da Silva” encontravam-se os vereadores da situação e da oposição, juntamente com o Prefeito de Santa Cruz o odontólogo Francisco Ferreira e dois técnicos enviados pelo Governo do Estado, Rubens Falcão( Diretor Técnico da Cagepa) e Laudízio Diniz(Diretor Técnico AAGISA), os quais apresentaram fizeram a apresentação do Projeto de Ampliação do Sistema de abastecimento dágua da cidade, o qual já encontra-se licitado.
 
 
Debate conturbado
 
Durante a realização da audiência pública, vários oradores fizeram uso da palavra, cobrando uma solução para o grave problema. Vereadores e líderes comunitários apresentaram veementes protestos verbais na tentativa de discutir soluções para levar água para a cidade. O ponto mais abordado foi sobre a situação do único reservatório de água existente, que está acumulando muito pouca água. A discussão e os protestos também giraram em torno da negativa que existe por parte de alguns setores da sociedade da cidade de São Francisco que resistem à idéia de que a solução para o abastecimento de água para consumo humano seja feita de forma a retirar a água do Açude do Paraíso.
 
 
Padre na “briga” pela água
 
Diante do sufuco estabelecido todos os anos na cidade, o Padre Djaci Brasileiro, vigário local, decidiu comprar a briga e quer a todo custo acabar com o problema da falta de água para consumo humano e para tomar banho e também acabar com o comércio de água instalado na cidade através da venda de latas d’água. "Os pobres estão sofrendo e nós não podemos aceitar essa condição" desabafou o Padre Djaci informando que em virtude da escassez do líquido, uma lata d’água potável chega a custar custando em média 50 centavos de real.

O protesto liderado pelo Padre Djaci Brasileiro, iniciado em 4 de novembro de 2003 envolveu os membros de todos os movimentos pastorais da paróquia, além de vereadores, o poder público municipal e a sociedade civil organizada, a exemplo de lideranças comunitárias rurais e de bairros. "Estamos realizado mais um protesto pacífico e mais uma passeata da lata seca. O povo está unido, o povo quer solução" destacou o religioso avisando que quer que as autorizades se sensibilizem com a maior brevidade possível para o problema.
 
Segundo o Padre, inicialmente só a construção de uma adutora poderá resolver o problema. "Nos queremos que seja construída uma adutora e para tanto, pretendemos ir em caravana a Capital do Estado, para acampar na Praça João Pessoa" ressaltou o Padre Djaci anunciando uma trégua até o dia 2 de julho do corrente ano, data em que haverá uma reunião na vizinha cidade de São Francisco, oportunidade em que segundo ele se não houver uma decisão, irá por em prática a idéia de viajar em caravana ruma a capital do Estado onde pretende realizar um protesto defronte a sede da Assembléia Legislativa, do Palácio da Redenção e do Tribunal de Justiça. Ele justificou que a comunidade está cobrando uma solução definitiva e que não tem mais como suportar a falta dágua.
 
 
Primeira manifestação
 
A primeira manifestação realizada em 4 de novembro culminou com os participantes erguendo uma cruz com mais de oito metros de altura, confeccionada com latas secas, no pátio da Igreja Matriz de Santa Cruz. Os manifestantes gritando palavras de ordem e declaravam a todo momento que enquanto as autoridades não viabilizassem uma solução, os protestos não iriam parar. Na época a expectativa do povo de Santa Cruz era de que as medidas que fossem tomadas pelo governo, fossem apenas em caráter de urgência.
 
Nas torneiras das residências da cidade, a pouca água que estava sendo fornecida, coletada no Açude do Caldeirão através do sistema de abastecimento dágua, tinha uma cor barrenta. Quando coletada e colocada em repouso, não servia para o consumo humano e nem muito menos para tomar banho ou para lavar pratos ou peças de vestuário.
 
 
Técnicos garantem solução
 
Os dois técnicos enviados pelo Governo do Estado a cidade de Santa Cruz, na manhã desta terça-feira(07Jun2005), apresentaram todo o Projeto elaborado para a solução da ampliação do abastecimento. Um telão serviu para apresentar de forma minunciosa o Projeto de forma que todos os manifestantes presentes tivessem acesso aos dados.
 
Demonstrando segurança, Rubens Falcão( Diretor Técnico da Cagepa) e Laudízio Diniz(Diretor Técnico AAGISA), ambos engenheiros, apresentaram dados dos estudos realizados que resultou na elaboração do Projeto de Ampliação do Sistema de abastecimento dágua da cidade, o qual já encontra-se licitado, que prevêem a construção de uma adutora que irá coletar água do açude do Paraíso, localizado na zona rural da vizinha cidade de São Francisco, distante 4,5 km de São Francisco e 10,5 km de Santa Cruz, cujo manancial contem uma capacidade de acumulação: 6.320.870 m3, com vazão regularizável com 99% de garantia de 67 litros por segundo e àrea da bacia hidrográfica de 75 km2.
 
Segundo Laudízio Diniz, que além de engenheiro possuí doutorado, a transposição das águas do açude do Paraíso, através do sistema de adutora, para atender ao sistema de abastecimento dágua humano de Santa Cruz, deverá ser feita de forma racional constante no projeto, sendo firmado harmonicamente um Termo de Compromisso proposto pela AAGISA, cujo documento a ser assinado pelos dois prefeitos, pela CAGEPA e pela AAGISA, estabelecendo um prazo de dez anos para a CAGEPA encontrar outra fonte de captação para Santa Cruz, ficando assegurado tecnicamente todas as atividades de piscicultura no Açude do Paraíso, a preservação da qualidade da água, a vazão para atender ao abastecimento de São Francisco, além do completo estabelecimento pré-determinado dos instrumentos de gestão do manancial a serem utilizados e as responsabilidades de cada um, inclusive da própria AAGISA.
 
O que planejamos é o uso múltiplo daquele importante manancial com vistas a maximização dos benefícios advindos do seu uso. Temos um importante concorrente no uso da água que é a evaporação e temos que criar formas de uso para diminuir tais perdas” revelou o engenheiro a reportagem do Bê-a-bá do Sertão, destacando o exercício de cidadania da população de Santa Cruz demosntrada durante a audiência pública realizada na terça-feira(07). “Aprendemos muito com as colocações que foram feitas, bem como com o tamanho interesse do povo local. Temos certeza que não será diferente em São Francisco”.
 
 
GALERIAS
 
GALERIA 1: Confira as imagens da audiência pública realizada no prédio da Câmara Municipal de Santa Cruz.
 
GALERIA 2: Confira as imagens do primeiro grande protesto realizado no dia 04 de novembro de 2003.
 
GALERIA 3: Confira postais da cidade, destacando-se a Igreja Matriz do Sagrado Coração de Jesus.

Galeria 01   Galeria 02   Galeria 03                 

Deixe o seu comentário







Respeitamos o direito de opinão e expressão. O espaço para comentários é um espaço democrático destinado às opiniões relativas ao texto originalmente publicado.
Não serão publicadas quaisquer mensagens com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou, ainda, que desrespeitem a privacidade alheia, que tenham caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas, ou, ainda, que tenham linguagem grosseira e/ou obscena.
Não serão publicados comentários que tentam se aproveitar deste espaço democrático para “destacar” outros sítios ou blogues ou, ainda, que tenham por objetivo comercializar produtos ou serviços.
Comentários anônimos, desconexos ou sem sentido em relação ao tema comentado também serão descartados.




Copyright © 2002/2018 - O Bê-á-bá do Sertão - Todos os direitos reservados
Contatos: (0xx83) 99967.1500 - Paraíba - Brasil
E-mail para contatocomercial@obeabadosertao.com.br