O Bê-a-bá do Sertão - Paraíba - Morre aos 87 anos o escritor Ariano Suassuna
Cultura e Lazer 23.07.2014 - No Recife(PE):

Morre aos 87 anos o escritor Ariano Suassuna

     
Compartilhe

Morre aos 87 anos o escritor Ariano SuassunaAriano Vilar Suassuna - João Pessoa(PB), 16 de junho de 1927 / Recife(PE), 23 de julho de 2014), dramaturgo, romancista, ensaísta e poeta brasileiro.


Recife(PE) - O escritor e dramaturgo Ariano Vilar Suassuna morreu na tarde desta quarta-feira(23Julho2014), às 17h15m, no Recife, aos 87 anos, de uma parada cardíaca provocada pela hipertensão intracraniana, após sofrer um AVC hemorrágico na segunda-feira(21Julho2014).


Ele foi internado no Real Hospital Português às 20h00m de segunda e foi submetido a uma cirurgia neurológica de emergência. Autor do "Romance d'A Pedra do Reino" e de clássicos do teatro nacional como "O Auto da Compadecida" e "O Santo e a Porca" e imortal da ABL(Academia Brasileira de Letras), ele também sofria de diabetes.




O velório do corpo de Ariano Suassuna será realizado no Palácio Campo das Princesas, no Recife, sede do governo de Pernambuco. A cerimônia será inicialmente restrita a familiares e amigos, sendo aberta ao público depois das 23h30m até as 15h00m de quinta(24Julho2014). O enterro será às 16h00m de quinta-feira, no cemitério Morada da Paz, em Paulista(Grande Recife).


Um dos autores mais populares do Brasil, ele tornou-se mais conhecido nacionalmente desde que, a partir dos anos 1990, passou a rodar o país com suas "aulas-espetáculos", misto de palestra, concerto e espetáculo de dança, em que exibia com graça de palhaço a sua erudição e seu fervor pela cultura brasileira.


Uma de suas últimas aparições públicas foi justamente ao ministrar uma dessas aulas, no dia 16, em Salvador. Ele tinha outra marcada para 5 de agosto, em Curitiba, e viria a São Paulo em outubro.


Nas aulas, frequentemente usava a combinação de terno preto e camisa vermelha, cores do Sport Club do Recife, time do coração. Chamava o traje de ""sport fino". Em dezembro passado,em entrevista o escritor afirmou ter feito "um pacto com Deus" para, apesar dos problemas de saúde, conseguir concluir o primeiro volume do romance monumental em que trabalha há 33 anos e que deverá ter ao todo sete volumes.


Na ocasião, contou que a obra completa se chamará "A Ilumiara"; - o livro de abertura, um romance epistolar, será "O Jumento Sedutor"; e revelou versos que estarão ao final das cartas que encerrarão os capítulos. Suassuna deixa a mulher, Zélia, com quem foi casado por 56 anos, cinco filhos e 15 netos.



Oitavo filho
Ariano Vilar Suassuna nasceu em 16 de junho de 1927 em João Pessoa, quando a capital da Paraíba tinha o mesmo nome do Estado. Foi o oitavo dos nove filhos de Rita de Cássia Dantas Vilar e de João Urbano Pessoa de Vasconcelos Suassuna.


Após a morte do pai, assassinado em 1930 por motivos políticos, Suassuna se muda para Taperoá(PB) com a família. É nesta cidade, no norte da Paraíba, que o futuro escritor ouve um desafio de viola e assiste uma peça de mamulengo pela primeira vez. Os dois tipos de manifestação artística vieram a ter grande influência em sua obra.


Em 1942, foi morar no Recife(PE), onde terminou o ensino secundário e começou a cursar Direito. Durante os anos no Ginásio Pernambuco, Suassuna entra em contato com a música erudita e a pintura. Nos anos de colégio, publica o primeiro poema, "Noturno", no "Jornal do Commercio", do Recife.



Teatro
Na faculdade de direito, Suassuna funda, com o escritor e dramaturgo Hermilo Borba(1917-1976), o Teatro do Estudante de Pernambuco. O grupo monta suas peças "As Harpas de Sião"(ou "O Desertor de Princesa"), em 1948 e "Os Homens de Barro", em 1949.


A primeira peça escrita por Suassuna, "Uma Mulher Vestida de Sol", de 1947, foi premiada no ano seguinte. O primeiro "Auto"(peça em estilo medieval) inspirado em literatura de cordel, o "Auto de João da Cruz", é de 1950. O famoso "Auto da Compadecida" foi escrito em 1955. No ano seguinte, torna-se professor de estética na Universidade do Recife(futura UFPE) e larga de vez a advocacia.


Em 1957, Suassuna casou-se com Zélia de Andrade Lima, com quem teve seis filhos: Joaquim, Maria, Manuel, Isabel, Mariana e Ana. No final dos anos 1950, peças do autor como "O Casamento Suspeitoso", "O Santo e a Porca" e "Auto da Compadecida" são encenadas em teatros do Rio e de São Paulo e ganham prêmios importantes, como os das associações paulista e brasileira de críticos teatrais.


Sem deixar a produção literária e as aulas de estética, arte e cultura brasileira, Suassuna se forma em filosofia pela Universidade Católica de Pernambuco. A busca por uma arte popular nordestina baseada na estética erudita ibérica medieval o levou a criar, nos anos 1970, o Movimento Armorial.


Um dos marcos dessa nova estética foi "O Romance d'A Pedra do Reino", que levou cerca de 12 anos para escrever e foi publicado em 1971, pela editora José Olympio. A obra ganha o prêmio nacional de ficção do Instituto Nacional do Livro no ano seguinte.



Imortal
Em 1990, Suassuna tomou posse na Academia Brasileira de Letras, ocupando a cadeira nº 32. Ele também é membro das academias de letras de Pernambuco e da Paraíba.


Suassuna sempre esteve envolvido com a política pública cultural. Nos anos 1967 e 1968 ajudou a fundar o Conselho Federal de Cultura e o Conselho Estadual de Cultura de Pernambuco. Em 1975, foi nomeado Secretário de Educação e Cultura do Recife, cargo que exerceu até 1978.




Em 1995, tornou-se secretário da Cultura de Pernambuco, durante o governo de Miguel Arraes, cargo para o qual foi nomeado novamente em 2007, no primeiro mandato de Eduardo Campos. Era assessor especial do governo de Pernambuco.


Com a confirmação da morte do escritor paraibano, a Academia Brasileira de Letras, o Governo do Estado da Paraíba e a Prefeitura Municipal de João Pessoa(PB), decretaram luto oficial por três dias.



Ao som de maracatu, família e amigos se despedem de Ariano Suassuna.

Milhares de pessoas - entre familiares, amigos e admiradores - passaram pelo Palácio do Campo das Princesas, sede do governo estadual de Pernambuco, para se despedir do escritor Ariano Suassuna, velado no local desde a noite desta quarta-feira. Ao som da rabeca, dos chocalhos e da batucada do maracatu, o bloco carnavalesco O Galo da Madrugada prestou sua última homenagem ao autor.


Além de amigos e familiares, pelo local passaram políticos como o governador de Pernambuco, João Lyra Filho, que decretou luto de três dias, o presidenciável Eduardo Campos(PSB), de quem Suassuna foi secretário de Cultura, e o ex-ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho. A presidente Dilma Rousseff chegou ao velório por volta das 14h20m para prestar a sua homenagem ao autor.


No sepultamento, havia uma faixa com os dizeres "Obrigado, Ariano Suassuna, você é a presença do nome Taperoá no mundo". Taperoá é a cidade para onde a família de Ariano se mudou quando o pai foi assassinado, durante a Revolução de 1930. Enquanto o caixão era sepultado, vozes femininas, acompanhadas por cordas, cantavam incelências, cantos fúnebres eram muito comuns nas áreas rurais do Nordeste.


Antes da partida para o cemitério, parentes, fãs, populares e autoridades entoaram juntos o hino do bloco Madeira do Rosarinho, que está para Pernambuco como "Cidade Maravilhosa" para o Rio de Janeiro. A música, composta por Lourenço Barbosa, o Capiba, era entoada por Ariano onde quer que chegasse, fosse em uma aula-espetáculo ou na solenidade de inauguração de algum espaço, como ocorreu durante a inauguração do Paço do Frevo, no Recife. A letra é uma metáfora da história de luta do povo pernambucano com o seu refrão "nós somos madeira que cupim não rói".




Ariano era torcedor fanático do Sport Club do Recife e muitos fãs apareceram no velório com a camisa do clube. Além disso, também entoaram o tradicional grito de guerra "cazá cazá". Maria das Neves, filha de Suassuna, disse que o pai "deixa o carinho do povo como última herança". Já Luiz Fernando Carvalho, que adaptou "O romance d'a Pedra do Reino" para a televisão, afirmou que o escritor o apresentou ao universo da mãe, nordestina, morta quando o diretor era criança. "Ele me ajudou a preencher essa lacuna que eu tinha na memória ao me mostrar tão bem o sertão".


Na noite desta quarta-feira, logo após a chegada do corpo no Palácio, uma das netas de Ariano, Germana Suassuna, leu um texto no qual lembrava as tiradas espirituosas do avô e os acontecimentos mais marcantes de sua vida, como o assassinato do pai, o ex-governador da Paraíba, João Suassuna, por motivos políticos, na década de 1930.


Germana também falou do encontro do escritor com Zélia, sua companheira havia mais de cinco décadas. Prometeu que a família permanecerá unida, fazendo reuniões constantes como o patriarca gostava de ver. Suassuna e Zélia tiveram seis filhos e quinze netos. Toda a família, bastante emocionada, compareceu ao velório.


O caixão do escritor está coberto com bandeiras do Brasil, de Pernambuco e do Sport Club do Recife.

                       

Deixe o seu comentário







Respeitamos o direito de opinão e expressão. O espaço para comentários é um espaço democrático destinado às opiniões relativas ao texto originalmente publicado.
Não serão publicadas quaisquer mensagens com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou, ainda, que desrespeitem a privacidade alheia, que tenham caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas, ou, ainda, que tenham linguagem grosseira e/ou obscena.
Não serão publicados comentários que tentam se aproveitar deste espaço democrático para “destacar” outros sítios ou blogues ou, ainda, que tenham por objetivo comercializar produtos ou serviços.
Comentários anônimos, desconexos ou sem sentido em relação ao tema comentado também serão descartados.




Copyright © 2002/2017 - O Bê-á-bá do Sertão - Todos os direitos reservados
Contatos: (0xx83) 99967.1500 - Paraíba - Brasil
E-mail para contatocomercial@obeabadosertao.com.br