O B�-a-b� do Sert�o - Para�ba -
Milton Marques Milton Marques Jnior Professor Titular da Universidade Federal da Paraba com experincia na rea de Letras, em Literatura Brasileira, Portuguesa e Comparada. Graduado em Licenciatura Plena em Letras (UFPB/1981). Mestre em Letras pela (UFPB/1990). Doutor em Letras (UFPB/1995). Coordenador do GREC - Grupo de Estudos Clssicos e Literrios, com produo na rea das Literaturas Grega e Latina, e Literatura Comparada. Membro Titular da Academia Paraibana de Letras.


21.05.2020 - Joo Pessoa

     
Compartilhe


A Marcha inevitável dos fatos

A batalha de Borodinó foi um duro golpe no império Napoleônico. Ferido de morte, naquele dia 26 de agosto de 1812, Napoleão viu desmoronar com a campanha da Rússia o seu poderoso exército e suas pretensões de ter a Europa sob o seu comando. É Tolstói quem nos conta isso em Guerra e Paz, analisando os fatos de modo contrário ao método histórico utilizado posteriormente para construir uma genialidade de Bonaparte, que o escritor nega, e para explicar as razões da guerra. O romancista defende a tese de que a guerra não se faz por causa da vontade de governantes que se veem como inimigos, mas por milhares de fatos miúdos que se congregam para aquele resultado. Diz ainda que os historiadores jamais entenderão esse fenômeno e qualquer outro, enquanto se debruçarem sobre fatos descontínuos e sobre as ações de imperadores, reis, governantes, ministros, generais, deixando de lado o continuum das ações e dos movimentos das massas - “a unidade histórica escolhida é sempre arbitrária” (Tomo III, Terceira Parte, Capítulo I).

No romance de Tolstói, concentra-se o horror da guerra e a inutilidade de milhares de mortos, produzindo uma miríade de miseráveis, que morreriam de fome e de frio, diante do inverno russo implacável. Tolstói condena essa ignomínia. Por que dois homens, dois imperadores - Alexandre I da Rússia e Napoleão Bonaparte da França - conduzem milhares de pessoas para a ruína e ainda passam às primeiras páginas da história, à custa de incontáveis vidas anônimas que se aniquilaram por suas decisões, estivessem envolvidas ou não diretamente com a guerra?

A explicação está na continuidade dos infinitos acontecimentos, que se juntam para, em determinado momento, resultar na ocorrência maior, no caso a guerra. Os historiadores erram por pegar um detalhe, ainda que o ampliem para poder estudá-lo, de um fato que já se encontra paralisado, estagnado, desconhecendo, sobretudo, as ações das massas. Ao que parece, antes de Freud e de Canetti, Tolstói sabia da importância da massa anônima e nem sempre silenciosa na condução dos acontecimentos, tomados depois pelos ditos governantes, os únicos a aparecer como condutores da história.

Tolstói se encontra com Victor Hugo, nas páginas de seu livro. Borodinó e Waterloo se equivalem na sua grandeza e na sua ruína. Ambos os episódios são narrados com esmero e com minúcias arrebatadoras. Nos dois casos, a marcha inevitável dos acontecimentos, como diz Tolstói, mudando os destinos das batalhas, à revelia do planejamento dos seus comandantes. Guerra e Paz e Os Miseráveis, como livros eternos, narram o horror à violência que leva milhares de vidas à destruição. Ainda que Napoleão seja visto com condescendência por Hugo, o que não acontece na visão de Tolstói - “Napoleão não conseguia renunciar a suas ações, enaltecidas em meio mundo, e por isso tinha de renunciar à verdade, ao bem e a tudo o que é humano”. (Tomo III, Segunda Parte, Capítulo XXXVIII) -, os dois escritores nos expõem em seus livros os horrores e o absurdo da guerra, seja a batalha de Waterloo, seja a de Borodinó, cujos desenrolares foram causados por inúmeros acasos, independentes do que havia sido traçado por seus comandantes, afogados em mapas e estratégias, em seus gabinetes de planejamento de batalhas.

O diálogo entre os dois livros é inquestionável. Como Guerra e Paz(1869) é posterior a Os Miseráveis(1862) e a língua francesa era uma espécie de segunda língua na Rússia, uma coiné entre a aristocracia, é possível que Tolstói tenha lido Hugo. Mas não importa, o que importa é que estes dois grandes livros dialogam consciente ou inconscientemente entre si, com o intuito de mostrar que a ambição pessoal e os acontecimentos que se multiplicam infinitamente levam ao desmoronamento de uma etapa da civilização.

"O destino das batalhas não era decidido por um homem, pela quantidade de canhões, pelas pessoas mortas ou pela localização das tropas"

Para Hugo, é perfeitamente plausível que um dos motivos da derrota de Napoleão em Waterloo tenha sido o fato de que chovia, quando rompeu a manhã do dia 18 de junho de 1815. A chuva atrasou os planos do imperador, que gostava de combater cedo, e dificultou o acesso dos canhões ao campo de batalha, dando tempo de chegar os reforços do inimigo. Já na pena de Tolstói, o resfriado de Napoleão em Borodinó, aventado pela história, não tem interesse ou importância alguma para o desfecho da batalha, tanto quanto não teria o “resfriado do mais insignificante dos soldados incumbidos dos transportes de carga” (Tomo III, Segunda Parte, Capítulo XXVIII).

O destino das batalhas não era decidido por um homem, pela quantidade de canhões, pelas pessoas mortas ou pela localização das tropas, mas, segundo Tolstói, “por aquela força impalpável chamada espírito da tropa” (Capítulo XXXV) ou “a mão de um oponente com força espiritual superior” (Capítulo XXXIX). Toda especulação da história que se Napoleão tivesse feito assim ou assado equivale a “dizer o que aconteceria se o outono se tornasse primavera” (idem).

...Diante da carnificina e das perdas irrecuperáveis da guerra, tomando como base as batalhas de Chevardinó e de Borodinó, que ocorreram com a distância de 2 dias uma da outra, ambas e principalmente a última, de resultado desastroso para russos e franceses, Tolstói desfaz todo o glamour da épica clássica, em que a guerra aparece edulcorada pela presença de heróis irrepreensíveis, os únicos relatados quando feridos. A realidade é outra coisa:

Os antigos nos deixaram exemplos de poemas heróicos nos quais o herói constitui todo o interesse da história e, até hoje, ainda não conseguimos nos habituar à ideia de que, para a nossa época, uma história desse tipo não tem sentido” (Tomo três, Segunda Parte, Capítulo XIX).

"A marcha dos acontecimentos do mundo é predeterminada de cima, depende da coincidência de todos os arbítrios das pessoas que participam de tais acontecimentos"

Na realidade, os fatos ganham contornos nada ideais, como diz o médico russo ao personagem Pierre, que passeia pelo campo de batalha, em Borodinó: “num exército de cem mil, temos de contar com pelo menos vinte mil feridos; mas não temos macas, nem leitos, nem enfermeiros, nem médicos para sequer seis mil feridos”(Capítulo XX).

Borodinó, com seus 80.000 mortos, foi a ferida de morte exposta na ambição, vaidade e orgulho de Bonaparte. Seu retorno da ilha de Elba, em fevereiro de 1815, a subida pela coluna do Ródano – “L’aigle volera de clochet en clochet jusqu’aux tours de Notre-Dame” –, para a reconstituição do império de cem dias, foi a melhora da morte que engana o paciente em estado terminal. Waterloo foi o “coup de grâce” e o fim de uma era, com o sepultamento, para sempre, da águia ferida, em Santa Helena. O arremata de Tolstói é perfeito: “A marcha dos acontecimentos do mundo é predeterminada de cima, depende da coincidência de todos os arbítrios das pessoas que participam de tais acontecimentos, e que a influência de Napoleão na marcha de tais acontecimentos é apenas exterior e fictícia” (Tomo III, Segunda Parte, Capítulo XXVIII).

A minha única frustração é não poder ler Guerra e Paz, em russo, para poder fazer as comparações com o que se encontra em Os Miseráveis.




.




Deixe o seu comentário







Respeitamos o direito de opinão e expressão. O espaço para comentários é um espaço democrático destinado às opiniões relativas ao texto originalmente publicado.
Não serão publicadas quaisquer mensagens com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou, ainda, que desrespeitem a privacidade alheia, que tenham caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas, ou, ainda, que tenham linguagem grosseira e/ou obscena.
Não serão publicados comentários que tentam se aproveitar deste espaço democrático para “destacar” outros sítios ou blogues ou, ainda, que tenham por objetivo comercializar produtos ou serviços.
Comentários anônimos, desconexos ou sem sentido em relação ao tema comentado também serão descartados.




Copyright © 2002/2020O Bê-á-bá do Sertão
Todos os direitos reservados
Contatos: (0xx83) 99967.1500 - Paraíba - Brasil